Aconteceram as palestras “Transformar a si, transformar o mundo”, ministrada pelo Monje Genshô.

Para conhecermos mais sobre o Zen Busdimo e sobre a palestra, confira a entrevista:

O que é

A escola Soto é a principal escola de Zen Budismo. Foi inicialmente fundada na China como a linhagem Caodong da escola Chan de budismo, e posteriormente migrou para o Japão com Dogen Zenji, tendo sido denominada então Soto Zen.

Na escola Soto (曹洞宗) do Zen, o Zazen, ou meditação sentada, é o centro da prática. Zazen foi o veículo do despertar de Buda. Shikantaza, ou “apenas sentar-se” é a essência da Soto Zen.

Praticantes da escola Soto Zen buscam a experiência vívida de cada momento, estando ativamente conscientes de cada ação aqui e agora. Como ensinado pelo mestre Taisen Deshimaru, “O Zazen não possui objeto, não possui propósito, apenas nos traz de volta a nós mesmos.”

A principal diferença do Zen (escola Soto) em relação às outras escolas budistas, é que o Zen foca na meditação – na iluminação. Imitamos o que Buda fez. Meditamos para despertar.

Escola Soto Zen

O Satori ou Iluminação dentro da escola Soto, também não possui uma característica especial, não é um estado alterado de consciência. É apenas um retorno a condição humana original. Pode ser comparada à consciência de um bebê recém-nascido, não ainda contaminada em nenhuma forma. Uma consciência pura e em completa harmonia com o cosmos e com o universo.

Zen é ambos. Algo que somos – nossa verdadeira natureza expressando a sí mesma momento a momento – e algo que fazemos – uma prática disciplinada através da qual tornamos real a alegria de ser. Não é uma crença ou um sistema de crenças ao qual nos convertemos. Não existe um dogma ou doutrina. Zen é a experiência direta do que podemos denominar realidade última, ou o absoluto, ainda assim, não separado do ordinário e do relativo.

Essa experiência direta é nosso direito inato. A prática do Zazen (meditação) é a forma de tornar real a vibrante, não-dual, sutil e interconectada natureza de toda a vida.

Este caminho para a auto-realização nos foi apresentado a mais de 2500 anos atrás pelo príncipe indiano Siddharta Gautama, que veio a ser conhecido como Shakyamuni Buda. Buda simplesmente significa “o desperto”. Seu grande ensinamento é que todos nós podemos despertar; que fundamentalmente, todos somos budas – Budas Judeus, Cristãos, Hindús, Islâmicos, seculares…

Com essa atitude flexível e amável com as várias culturas e crenças encontradas, o Budismo foi abraçado na Ásia. Na China, se mesclou com o Taoísmo e evoluiu no Budismo Chan. A palavra chinesa para meditação, que posteriormente tornou-se “Zen” no Japão. Ao longo das últimas décadas começou a tornar-se parte da cultura ocidental.

Através de uma prática dedicada e consistente de meditação, podemos perceber que o self e o outro são um, que o condicionado e o não-condicionado são simultâneos, que o absoluto e o relativo são idênticos. Dessa percepção fluem uma compaixão e sabedoria naturais, uma resposta pacífica e intuitivamente adequada de encontro a qualquer circunstância que surja. Não fazemos grande estardalhaço sobre isso; nem sequer chamamos isso religião. Quando o Dalai Lama foi perguntado sobre o Budismo, simplesmente respondeu “minha religião é a gentileza”.

O que é Zen? Pare de tentar limitar intelectualmente algo que é vasto e sem limites, muito além do que a mente racional é capaz de absorver. Apenas respire em total consciência. Usufrua da respiração. Aprecie-a completamente. Agora exale, lentamente com a mesma apreciação. Deixe tudo para lá; não se apegue a nada. Respire com gratidão, respire com amor. Recebendo e oferecendo – isso é que estamos fazendo a cada momento que inalamos e exalamos. Fazer isso com consciência, regularmente, é a prática transformativa que chamamos Zen.

Essa prática simples e ainda assim profunda, pode nos liberar das amarras do passado e do futuro, assim como das barreiras aprisionadoras auto-impostas que erigimos em volta daquilo que erroneamente consideramos nossa identidade separada e imutável.

Podemos através de consistente Zazen, nos liberar desse “self” impostor e descobrir um verdadeiro ser – o Ser que é aberto, confiante e livre de impedimentos, fluindo com tudo que existe nesse momento. Portanto naturalmente cuidamos do ambiente, começando por nossas próprias ações. Não desperdiçamos recursos da terra, percebendo que cada ato tem consequências. E de forma natural, estendemos essa Mente; fazemos voto de viver com atenção, integridade, autenticidade; fazemos voto de liberar todos os seres do sofrimento.

Monge Genshô

Monge Genshô é paraibano da cidade de Sapé, filho de um pernambucano e de uma alagoana, possuindo uma longa ancestralidade ligada ao Nordeste. Atualmente reside em Florianópolis. Iniciou o Zen Budismo em 1973. No Japão, em 2005, foi ordenado oficialmente pelo Superior Geral da América do Sul, Dosho Saikawa Roshi.

Estudou em mosteiros na Califórnia e no Japão, é um dos sucessores de Saikawa Roshi. Dirige a Comunidade Zen Budista de Florianópolis, com responsabilidade em 25 cidades brasileiras. É autor do livro “O pico da montanha é onde estão os meus pés”. Na vida leiga atua como consultor de empresas de grande porte, dirigindo uma empresa de consultoria e gestão. Foi nomeado missionário oficial da SotoShu na América Latina em dezembro de 2016.

Palestra e Zazenkai

Palestra:

Tema: Transformar a si, transformar o mundo.

“Podemos mudar de caminho a cada momento, mas na prática o impulso que tomamos, a trilha que estamos seguindo tem o poder de nos conservar em um rumo. Para o bem e para o mal precisamos tomar uma decisão e fazer algum esforço para mudar de trilha.

Ninguém escolhe na hora, o que acontece é que já fizemos anteriormente muitas escolhas que geram carma e que nos arrastam, e assim parecemos ser livres, mas é mera aparência. Escolher pessoas e lugares pode mudar toda a nossa vida, por esta razão é preciso ser muito cuidadoso com aquilo com que optamos, depois de algum tempo fica muito difícil mudar de caminho.” – Monge Genshō.

A palestra abordará temas sobre mudanças de caminho, transformar nossas vidas através da prática de meditação, através de boas ações, Buda nos ensinou sobre a fala correta, o pensamento correto, nossas ações podem transformar não só a nós mesmos, mas a vida de muitas pessoas a nossa volta.

Zazenkai: é um mini retiro, com práticas de meditação, terá ensinamentos do Monge Genshô para iniciantes que gostariam de conhecer mais sobre o Zen Budismo. E finalizamos com uma confraternização entre os participantes.

#RevistaCamboriu

Deixe uma resposta