Mas, afinal: melasma tem cura? | Por Veridiana Ferreira

Essa condição pode ser amenizada com os procedimentos adequados.

O melasma é uma patologia crônica que atinge tanto homens quanto mulheres, sendo mais frequente no sexo feminino. Não é prejudicial à saúde, mas pode causar baixa autoestima e até depressão.

Fatores genéticos, exposição ao sol, uso inadequado de cosméticos podem evidenciar o melasma, que deve ser tratado com procedimentos estéticos não invasivos. O primeiro passo é entender que não existem tratamentos definitivos, e sim que ajudam a manter a pele mais clara e uniforme. Entre os indicados, estão os peelings leves, que diminuem a atividade dos melanócitos e uniformizam o tom da pele.O tratamento deve ser contínuo e acompanhado com hidratação para reparar danos ou sensibilidade na pele. Também é preciso que a pessoa com melasma utilize cosméticos adequados e protetor solar todos os dias.

Melasmas são manchas em tons castanho e marrom, mais frequentes no rosto.

O tratamento deve ser contínuo e acompanhado com hidratação para reparar danos ou sensibilidade na pele. Também é preciso que a pessoa com melasma utilize cosméticos adequados e protetor solar todos os dias.

Procedimentos a laser são contraindicados, já que o calor é um dos fatores que aumenta a patologia. Outro tratamento que não indico para essa condição é o microagulhamento. Em meus 10 anos de clínica vi que o melasma é tão sensível que as agulhas contribuem com a ativação e possível efeito rebote.


Veridiana Ferreira
Tecnóloga em cosmetologia e estética.
Formada em Biomedicina.
Facebook: @veriferreiraestetica
Instagram: @veriferreiraestetica

Deixe uma resposta